VERSÍCULO DO DIA

"Em Deus faremos proezas, porque Ele é que pisará os nossos inimigos." Salmos 60.12

NASA Image of the Day

visitas abençoadas

domingo, 28 de fevereiro de 2010

TERREMOTO NO CHILE

CATÁSTROFE » Chile é atingido por um dos terremotos mais fortes da história

* Notícia
* Foto


Viviane Vaz

Publicação: 28/02/2010 08:21 Atualização: 28/02/2010 08:41
Quase um minuto de terror e desespero. O quinto terremoto mais forte dos últimos 100 anos atingiu na madrugada de ontem o centro-sul do Chile, com o epicentro na região de Maule e Concepción. Com magnitude 8,8 na escala Richter, o tremor teve seu epicentro no mar, afetou várias áreas do país e causou a morte de pelos menos 214 pessoas, segundo as informações do governo chileno divulgadas até o fechamento desta edição. Foi o mais potente terremoto ocorrido na nação sul-americana desde 1960, quando um tremor de 9,5 pontos deixou 1.665 mortos.

"Os chilenos estão acostumados (a abalos sísmicos), mas esse foi um terremoto de oito pontos, um a mais do que aquele que atingiu o Haiti", disse ao Correio o embaixador do Chile em Brasília, Álvaro Díaz. "Não foi somente muito grande em força, mas também muito prolongado: 45 segundos", destacou o diplomata, lembrando que, na maioria das vezes, os tremores de terra costumam durar cerca de 15 segundos.

A presidenta chilena, Michelle Bachelet, decretou estado de emergência em seis áreas consideradas "zonas de catástrofe", entre elas, Maule e Bío Bío. O terremoto ocorreu às 3h34. Às 5h, a presidenta já tinha se reunido com seu gabinete de ministros - entre eles o responsável pela pasta do Interior, Edmundo Pérez Yoma -, além da direção do Escritório Nacional de Emergências. "Vamos olhar o conjunto dos danos para ver se, com os recursos que temos para 2010, poderemos enfrentar a reconstrução do país", disse Bachelet à televisão local.

Cenário de destruição: conjunto habitacional de Concepción acabou partido ao meio - (Jose Luis Saavedra/Reuters)
Cenário de destruição: conjunto habitacional de Concepción acabou partido ao meio
O terremoto destruiu construções, inclusive na capital, Santiago, a 325km de distância do epicentro. Várias regiões ficaram sem água, energia elétrica e contato telefônico. Uma ponte sobre o Rio Bío Bío (Puente Viejo), em Concepción, desabou por completo, mas, por sorte, nenhum condutor passava sobre a construção no momento do desastre. Na capital, motoristas perderam o controle dos veículos. Outros carros acabaram destruídos por escombros. O tremor foi sentido em outros países, inclusive no Brasil. Na Argentina, cinco pessoas morreram por causa do abalo.

A vice-cônsul da Embaixada do Brasil em Santiago, Ana Patrícia Cruz Franco, classificou a experiência como "assustadora". Segundo ela, por volta das 3h30 (horário local de verão, o mesmo de Brasília), o fornecimento de energia foi interrompido e o prédio onde ela mora começou a sacudir. Seguindo instruções de segurança, ela se jogou no chão e ficou embaixo do batente de uma porta de seu apartamento, localizado no 18º andar. "O prédio balançava como borracha. Caiu tudo no chão, na cozinha, na sala. Foi horroroso. Sempre acontece um ou outro tremor, mas coisa leve. Nunca passei por um tremor desse nível", disse a diplomata à reportagem. Segundo a vice-cônsul, depois do terremoto, os moradores desceram e ficaram na rua apavorados, esperando o dia amanhecer. A representação brasileira, que funciona em uma construção antiga, sofreu abalo mínimo. "Caíram pedrinhas de uma parede, mas estamos trabalhando normalmente", contou.

A brasileira Camilla Valenzuela relatou a tensão em um site de relacionamentos na internet. "Tenho metade da minha família lá, na cidade de Maipu. Um prédio caiu e outros estão tortos... O negócio está feio. Em Maipu, as autoridades disseram para as pessoas não saírem de casa", disse. Camilla vive em São Paulo e conseguiu entrar em contato com um dos tios que vive no Chile. "Ele disse que os celulares não estão funcionando", afirmou.


Ouça entrevista com o embaixador Álvaro Díaz


"Houve muitos danos à infraestrutura. O aeroporto foi fechado. As pistas estão funcionando perfeitamente, mas, com o decreto de estado de emergência, precisam ser utilizadas para ajudar às vítimas", explicou o embaixador chileno no Brasil. "Há um plano de emergência: o primeiro é ajudar vítimas, feridos e pessoas desabrigadas; depois vem o processo de reconstrução das rodovias e demais obras", completou Díaz. O diplomata também destacou que os estragos só não foram maiores porque o país conta com padrões de construção "muito estritos" e há normas antissísmicas para todos os edifícios.

Depois do tremor, veio o medo de um tsunami atingir o Chile e demais países banhados pelo Oceano Pacífico. Parte dos 46 mil habitantes da cidade costeira de Constitución fugiu para a região montanhosa com medo de ondas gigantes. "O Chile tem de se unir para ajudar as famílias daqueles que perderam a vida", afirmou o presidente eleito do Chile, Sebastián Piñera. O futuro governante - cuja posse deve mesmo ocorrer em 11 de março - afirmou ainda que o terremoto "significa um duro golpe para a sociedade chilena" e ofereceu a colaboração de seu futuro gabinete à Bachelet.

Atendimento
A cônsul do Brasil em Santiago, Graça Carrión, elogiou o trabalho do governo chileno em entrevista a um canal de tevê brasileiro. "Desde o momento que o terremoto aquietou, já tivemos 18 réplicas e o governo de Bachelet montou um gabinete de crise e passou a dar informação a cada meia hora", disse Graça, acrescentando que o governo do país se deslocou para a zona onde o terremoto foi mais forte, no sul da capital. Como o edifício do consulado fica em um prédio no 15º andar, a consulesa recomendou que os brasileiros ficassem em casa e não se dirigissem ao prédio. "O consulado não pode emitir documentações de viagens, pois a população não pode viajar. Além disso, uma das recomendações é de não se tomar elevador", explicou Graça. Não havia, até ontem à noite, informações de brasileiros mortos na tragédia. São cerca de 8 mil morando no Chile, concentrados principalmente na capital e nas cidades litorâneas de Valparaíso e Viña del Mar, segundo a embaixada brasileira no Chile.

Maiores abalos

Veja os terremotos mais intensos nos últimos 100 anos:

Local - Magnitude*
Chile (1960) - 9,5
Alasca (1964) - 9,2
Rússia (1952) - 9,0
Indonésia (2004) - 9,0
Alasca (1957) - 8,8

*Escala Richter

Um comentário:

AMIGO, DEUS É CONTIGO!